Google+ Followers

quinta-feira, 31 de julho de 2014

Curiosidades sobre o comportamento do seu cão

Achei esse texto no site : http://www.maedecachorro.com.br/ e achei interessante compartilhar aqui... fiz algumas anotações em azul, mas ao todo ele foi copiado!
*Curiosidades* sobre o seu cãozinho:
·         Ele está latindo:
Da mesma forma que você se expressa de diferentes maneiras, os cães têm vários tipos de latidos. Basicamente, pode expressar três coisas: um pedido, um aviso e a ameaça de ataque. Quando os latidos têm intervalos longos, do tipo “au……au……au”, com uns 15 segundos entre os latidos, é porque seu cão está pedindo algo, como água, comida ou quer dar uma voltinha. Pode ser ainda que ele simplesmente queira que você abra a porta para ele entrar ou sair. Neste caso é provável que depois de latir ele corra e fique parado em frente a porta.
O latido, de alerta ou de advertência é dado sempre que um estranho se aproxima e você pode conferir de vez se ele abaixar um pouco as orelhas, franzindo o nariz às vezes rosnando. Outro bom indicativo é reparar se os pêlos das costas estão eriçados. O latido tem intervalos menores entre um e outro, m ais ou menos uns 3 segundos.
Agora, se ele disparar a latir como um doido, praticamente sem parar, é latido de ataque: ele quer defender seu território, ou o dono, sua comida ou até mesmo sua fêmea. A cara fica toda franzida, os dentes á mostra, as orelhas abaixadas para trás e ele pode avançar e recuar, pronto para morder.
·         Ele resmunga:
O cão fica resmungando quando é deixado de lado. É praticamente um queixume, quase como se ele quisesse chorar. Se depois de resmungar ele não for atendido, é fatal que comece a latir.
Tinha uma cachorrinha que “dava gelo” quando se sentia sozinha, isso mesmo ela deixava a gente de lado, se eu chamasse ela não atendia, se a pegava ela rosnava... era muito engraçado!
·         Voltinhas em círculo e arranhões antes de dormir:Esse é um hábito herdado da vida selvagem, pois o cão precisava afofar a terra onde dormia. As voltas orientam a direção, norte ou sul.
·         Uma lambidinha:
É um beijão em você, só que mais molhado. Trata-se da maior demonstração de afeto de um cão, especialmente quando lamber seu rosto e suas mãos, que são partes mais descobertas e, em geral, que estão em maior contato com o cão.
·         Balança o rabinho:
Se a cauda estiver na posição normal, ele está hiper-contente. Se estiver entre as pernas, acuda porque seu cachorro está pedindo socorro. Cães habituados a fazer as necessidades fora de casa podem exibir esse jeitinho, porque estão “apertados”.
·         Ele começou a uivar:
No cio, quando os cães ficam separados das fêmeas, os machos põem a boca no trombone. Em grupo, também fazem isso. É uma herança dos antepassados. Pode ser ainda que o cão esteja uivando de fome ou de solidão, por isso, dê uma olhadinha nele e no seu prato.
·         Uma cutucada com o focinho:
Ele só quer chamar sua atenção! Provavelmente, vai mostrar uns olhinhos bem pidões, de quem quer alguma guloseima, dar um passeio ou mesmo uns afagos na cabeça. A cutucada também pode vir acompanhada de uma patada rápida; este sim é um sinal evidente de “ei, olhe para mim!”
O meu dá muita cutucada com a pata... é muito engraçado!
·         Cheira o rabo dos outros cães:
Ele está cumprimentando outro animal da espécie canina. Funciona como “olá, amigo!” O cão identifica o outro através de um odor individual exalado pela glândula ad’anal, que existe na região.
·         Raspa a terra ou grama cobrindo as fezes:
Segundo uma das teorias, o cão estaria fazendo um controle sanitário, pois encobre as fezes para que outro animal não se contamine com verminose ou outras doenças. Outra corrente acredita que o cão tem este comportamento devido a hábitos adquiridos no passado, quando precisava camuflar seus rastros, para evitar confrontos com possíveis inimigos.
·         Barriguinha para o alto:
É o sinal de que “se entrega todo para você”. Numa briga, por exemplo, quando o cão vira de barriga para cima é porque entregou os pontos. Nas brincadeiras, seu cão pode ficar nessa posição, que é uma forma bem legal de lhe agradar, mostra que você é mesmo o dono e que quer carinho.
·         Esfrega, esfrega:
Em geral, é uma brincadeira, um pedido de carinho. Se ele deitar no chão, com as patas para cima, não resista e divirtam-se juntos. Se ele ficar passando no meio das suas pernas, feito um gato, é vontade de ser acarinhado.
·         Ele fez cocô ou xixi nas suas coisas:
Xixi nos cantos da casa é coisa de cachorro marcando seu território. Mas se andou sujando as suas coisas, em cima da cama, nos livros, é porque está de mal com você e deixa bem claro! Outra forma de demonstrar zanga canina pode ser despedaçando coisas suas. Nos filhotes, essa é uma atitude comum, mas aí é coisa de infância e basta falar num tom enérgico que eles se aquietam.
Nosso cachorro faz xixi em qualquer coisa que está no chão, qualquer coisa mesmo: Vasilha de água, de comida, cama.... nunca vi um cão demarcar território em cima da sua vasilha de comida ou sua cama...Se alguém souber o que fazer me avise...
·         Ele persegue gatos:
O cão vê os gatos mais como um divertimento do que como uma possível refeição. Estes animais despertam os instintos predatórios e inatos do cão, pois são pequenos, peludos, rápidos e estão sempre prontos a fugir. O cão consegue distinguir perfeitamente os diferentes gatos, e por isso pode conviver muito bem com o gato da família. É muito comum, por exemplo, que o cão persiga um gato estranho no quintal e depois se deite ao lado do gato da casa.
 Eu mesma, já tive gatos e cães , é uma experiência muito engraçada. Minha cachorrinha ficava chateada quando o gato sumia por algumas horas e “dava um gelo” nele também...

sábado, 26 de julho de 2014

26 de Julho - Dia dos Avós

Celebrar o Dia dos Avós significa celebrar a experiência de vida, reconhecer o valor da sabedoria adquirida, não apenas nos livros, nem nas escolas, mas no convívio com as pessoas e com a própria natureza.
Esse ano, as avós da Ísis conseguiram compartilhar um momento de diversão e trocas na escola... Teve uma festinha, com direito a brincadeiras, histórias e muitos abraços e beijinhos...


sexta-feira, 11 de julho de 2014

Dia de São Bento - 11 de Julho

Bento viveu entre 480 e 547, aproximadamente. Existem relatos do ano de 590, por São Gregório ,onde buscava mostrar que apesar do período em questão ter sido bastante conturbado, São Bento tentava dar exemplos de cristianismo. Ainda jovem tornou-se monge e aprendeu a tradição com outros monges e tendo São Bentoacesso à literatura monástica. No entanto decide tomar novos caminhos nesta vida e cria normas para valorizar a vida em serviço a Deus. Deixa tudo registrado no que é conhecido como a Regra, que inclusive é utilizada ainda hoje em inúmeros mosteiros no mundo todo.
Nasceu em Núrsia, interior da Itália. Ainda jovem foi enviado para Roma para estudar, porém não se adaptou a vida degredada da cidade grande e decidiu isolar-se como religioso. Um grupo de monges o convenceu a tornar-se líder deles e começaram a seguir as ordens de São Bento. Os monges não se adaptaram as duras regras impostas por São Bento e decidiram envenená-lo. Ao abençoar o cálice que continha veneno, este se quebrou em diversos pedaços, e conseguinte o plano foi descoberto. Abandonou estes monges e seguiu por diversos lugares até chegar a Monte Cassino onde fundou um mosteiro e redigiu a Regra por qual este e outros mosteiros deveriam se orientar.
Alguns relatos da época citam episódios onde São Bento podia ler pensamentos, tirar água de rocha, fazer pessoas andarem sobre a água ou ainda um jarro de óleo que nunca acabava.
Entende-se que a mensagem de vida é de que a santidade de São Bento seja como a dos Santos e Profetas de outrora.

São Gregório narra que Bento teve uma visão antes de seu fim : “De súbito, na calada da noite, olhou para cima e viu uma luz que se difundia do alto e dissipava as trevas da noite, brilhando com tal esplendor que, apesar de raiar nas trevas, superava o dia em claridade. Nesta visão, seguiu-se uma coisa admirável, pois, como depois ele mesmo contou, também o mundo inteiro lhe apareceu ante os olhos, como que concentrado num só raio de sol”

Em seu último momento, após uma vida inteira dedicada a Deus e ao próximo, São Bento foi agraciado com a visão de Deus.


sexta-feira, 4 de julho de 2014

Á minha Filha


Um filho.
Ele é o nó no meu cabelo.
O esmalte descascado na minha unha,
as olheiras no meu rosto.
Ele é o brinquedo na gaveta de roupas,
o amassado nas páginas do meu livro,
o rasgado no meu caderno de anotações.
Ele é o melado no controle remoto,
o canal de televisão,
o filme no DVD.
Ele é o farelo no sofá,
As tesouras no alto.
Ele é o backup no computador,
o mouse escondido,
as cadeiras longe da janela.
Ele é a marca de mão nos móveis,
o embaçado nos vidros,
o desfiado nos tecidos.
Ele é o ventilador desligado,
a porta do banheiro fechada,
a gaveta da cômoda aberta.
Ele é o coque na minha cabeça,
o amarrotado nas roupas,
as frutas fora da fruteira,
os panos de prato amarrando os armários.
Ele é o meu shampoo cheio de água,
a espuma no chão do banheiro,
o brinquedo dentro da privada.
Ele é o interruptor nas tomadas.
Ele é o peixe no aquário,
a árvore de natal,
os "pisca-piscas" de todas as casas.
Ele é o círculo, o susto.
A primeira visão da lua no começo da noite.
O valor do trabalho, a vontade de aprender,
a minha força,
a minha fraqueza,
a minha riqueza.
Ele é o aperto no meu peito diante de uma escada,
a ausência de sono diante de uma febre.
Ele é o meu impulso, o meu reflexo, a minha velocidade.
O cheirinho no meu travesseiro,
o barulho,
a metade,
o azul.
Ele é o vazio triste no silêncio de dormir,
o meu sono leve durante a noite.
Ele é o meu ouvido aguçado enquanto durmo.
A minha pressa de levantar da cama,
a minha espera de bom dia.
Ele é o arrepio quando me chama,
a paz quando me abraça,
a emoção quando me olha.
Ele é meu cuidado, a minha fé,
o meu interesse pela vida,
a minha admiração pelas crianças,
o meu respeito pelas pessoas,
o meu amor por Deus.
É o meu ontem,
o meu hoje,
o meu amanhã.
Ele é a vontade,
a inspiração,
a poesia.
A lição, o dever.

Ele é a presença, a surpresa
a esperança.
A minha dedicação.
A minha oração.
A minha gratidão.
O meu amor mais puro e bonito.
O meu filho é a minha vida!
Desconheço o autor